Sunday, August 07, 2005

Requiem para ti avô

Nestes dias faz um ano que te foste avô
Sei-o porque vejo o banco abandonado
debaixo do limoeiro que plantaste
Sei-o porque sinto os bolsos vazios de conselhos quentes e amigos.
Sei-o porque desde que te foste
Não mais fiz as palavras cruzadasque costumavamos destrinçar juntos.

A vida e a morte jornais velhos absoletos de emoções e vivências.
Agora que te foste
O rumo das aves do sul não é tão harmonioso.
Nem os morangos que plantaste
florirão tão vivos e vermelhos.
Na tua cova crescem malmequeres verdes como os teus olhos.

E para sempre restará a saudadedas tuas mãos hábeis e
educadoras
e do teu sorriso morno como o pôr-do sol
no mar que amaste.

Clepsidra 2005

2 Comments:

Blogger a das artes said...

Amor. Ternura. Dor serena. Lindo.

2:40 AM  
Blogger Ulysses said...

Um poema muito bonito e uma grande homenagem que prestas a esse teu progenitor, carne da tua carne, sangue do teu sangue.
As folhas caem e secam, mas nunca as esquecemos.

1:29 PM  

Post a Comment

<< Home