Thursday, September 15, 2005

Trovoada

Nos dias de trovoada há um nevoeiro de fantasmas que vem do mar. Trazem, com o cheiro a maresia, as recordações daqueles que nos chamam e não podemos ouvir e a profundidade dos desertos que não podemos conhecer.São de sal, de algas e musgo estas pedras da calçada. Estas paredes, de iodo fossilizado. As ruas feitas de areia sem pegadas.E as almas das pessoas são anémonas que ondulam com a força do passado, esse dançarino de olhos brancos como os cegos.

6 Comments:

Blogger KaRL said...

os cegos têm olhos brancos? quer dizer no fundo todos temos olhos brancos... mas ha aquela... pronto... como dizer? azul nao é mais.. pronto.. entendes? branco? nao. azul? frequentemente.

4:39 AM  
Blogger a das artes said...

Arrepiante mas bela metáfora

7:48 AM  
Blogger Clepsidra said...

Muitas vezes os olhos dos cegos tem aquele brilho baço, parecido ao branco..era nisso que pensava quando os caracterizei assim.

8:20 AM  
Blogger Ulysses said...

Enquanto não chegam as trovoadas, todos temos que esperar, pelas aguas profundas que nos viram nascer.

7:11 AM  
Anonymous Anonymous said...

Gostei muito do teu blog, e dos teus textos...fizeram-me fechar os olhos e simplesmente caminhar.
Adicionei o teu blog à minha lista

Paulo Heleno
http://sociedadeincerta.blogspot.com

10:47 AM  
Blogger Clepsidra said...

Obrigado pelas amavéis palavras de fé. Seguirei o seu também :)

3:58 PM  

Post a Comment

<< Home